terça-feira, 18 de março de 2008

Nightwish em Portugal



Coliseu de Lisboa 19 de Abril – 21h00 (abertura de portas às 20h00) *

A banda finlandesa de metal sinfónico, Nightwish, vem a Portugal para duas actuações nos Coliseus do Porto, 18 de Abril, e de Lisboa, 19 de Abril, em apresentação do novo álbum “Dark Passion Play”. Detentores de uma sonoridade única, que veio a ter muitos seguidores, como os Within Temptation, os Nightwish surgiram em Kitee, na Finlândia, em 1996. O nome Nightwish deriva da primeira música que a banda gravou e que viria a ser incluída na primeira Demo. Em 1997 editaram o primeiro álbum, “Angels Fall First”, que atingiu o terceiro lugar do top finlandês. Seguiu-se “Oceanborn” - editado em 1998, mostrava uns Nightwish mais técnicos e progressivos, ao nível da escrita e dos arranjos. O álbum atingiu o galardão de Ouro em mais do que um país e confirmou os Nightwish como um fenómeno a seguir. Dois anos volvidos lançaram “Wishmaster”, disco que entrou directamente para o primeiro lugar do top finlandês. Após o sucesso alcançado na Europa, os Nightwish começaram também a dar que falar nos Estados Unidos. ”Century Child” de 2002, atingiu o Disco de Ouro em apenas duas horas, chegando mais tarde à dupla-platina! Mantendo uma profícua carreira, editaram em 2004, “Once” – mais um enorme sucesso comercial em toda a Europa. Em 2007, chegou “Dark Passion Play” - o disco com o maior investimento de sempre da história da Finlândia, contou com a colaboração de 175 músicos! O resultado final é épico! A reputada revista britânica Kerrang! atribuiu ao álbum nota máxima, 5/5, considerando-o um clássico. Em termos comerciais, o disco entrou directamente para o primeiro lugar dos tops de vendas na Alemanha, Finlândia, Suiça, Hungria e Croácia. Em Abril sobem ao palco dos Coliseus de Porto e Lisboa, 18 e 19 de Abril, respectivamente, para dois concertos que certamente não vão deixar indiferentes os muitos fãs que os Nightwish têm em Portugal!

quinta-feira, 13 de março de 2008

sonho

Agora sonho com anjos.
Esta febre ópia mata-me de real.


Anjos sem asas voam
-me
Pela memória até ao sangue.

Nascidos dos orgasmos passados

E desejos futuros.

Acorda-me... devagar...

Abdul-Hamid

segunda-feira, 10 de março de 2008

Devagar

Devagar,

Hora a hora,

Dia a dia,

Como se o tempo fosse um banho de acidez,

Vou vendo com mais nitidez

O negativo da fotografia.



Miguel Torga

segunda-feira, 3 de março de 2008

Ausência

Num deserto sem água
Numa noite sem lua
Num país sem nome
Numa terra nua

Por maior que seja o desespero
Nenhuma ausência é mais profunda que a tua.


Sophia de Mello Breyner Andresen, Mar Novo (1958)