sábado, 28 de novembro de 2009

dança em amor comigo


magia.


            poder.


                       íman.


                               caminho.
                                              sonho.


                                                         beijo.


                                                                  carícia.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                  entrega.                                                


                                                                                          posse. 


pega-me e solta-me por dentro, como o fazes ao meu cabelo enquanto respiras sobre a minha orelha…

despe-me em botão, um por um, como se me libertasses do preconceito que me ata ao lá fora…

e beija-me a Alma como se eu fosse já pele queimada pela tua…

a seguir, roda-me como se fôssemos uma dança ensaiada nestes nossos gestos...

assim, devagar

as palmas das minhas mãos quase tocando-te no receio de me perder, quase aflorando e sentindo o teu calor, num quase afago, que temo vir a ser pressão na tua pele.

controlo-me...

são de novo as minhas mãos, prisão nas tuas.

força-me a hesitação.

roda a chave, lentamente, ainda nós em dança, ainda nós em ritmo desconhecido.

caminha comigo, abraça-me, acompanha-me... assim!

fecham-se-me os olhos ao mundo, à realidade, transponho a inconsciência e vogo no prazer consciente de sermos apenas tu e eu.

és já esta secura de boca, os meus dedos presos em ti, presos nesta dança que, desejo, não acabe…

e aprendo a dança do amor que és em mim, cadenciada ao ritmo dos corpos, do desejo, sem voz…

                                             … apenas medida na vontade voraz das bocas que se calam em união...  Alma

 

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Viagem


viajo
numa ida sem regresso

o toque ardente das tuas mãos percorre-me o corpo
como praia em busca do Sol
queimando

nas chamas do desejo, revivo teu cheiro inebriante
como se aqui estivesses

sinto a tua presença, na tontura da lembrança,
arrepiante e tão real

nesta deliciosa alienação, tu vens
entras dentro de mim, por insana invocação

dou-me, sou tua, até à alma

entregues a extrema rendição
subjugados ao prazer, num delírio imaculado
só nosso e para nós

todos os centímetros da minha pele se te entregam
em magnetismo e estonteante loucura

teu beijo guloso guia esta dança
transbordo de paixão
transporta-me para além do infinito
mais longe que a mais longínqua das estrelas

nesta viagem sem fim


Vanda Romeu

terça-feira, 24 de novembro de 2009

se me desses um abraço






Pelo que se perde

Pelo que nunca se recupera

Pela Dor

Pela desconfiança

Pela perda do Silêncio

Pelos rumores que massacram a Alma

Pelos beijos que nos recusam

Pelas palavras mudas em ouvidos surdos

Pelo que deixamos de ser mesmo que o neguemos

Por ti

Por mim

Pelas palavras que nunca mais te dedicarei...

Olha, pelo Nada a que nos relegaram.



Alma

domingo, 22 de novembro de 2009

Meu Cacho de Beijos






Minhas penas soltas, dores deixadas pelo ar
Abro a janela da Vida e incito-as a voar.
E vens tu e o rubro da tua boca
Abraçando a minha, entreaberta e louca.
Anda até mim e mergulha neste céu
Que o Paraíso começa assim,
com o teu corpo no meu.

Alma

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

as palavras que te envio

Foto:shark


e concluo sobre o poder das palavras.



amamos, desejamos, sonhamos por causa das palavras. são elas o princípio e o fim.



oidotsuc... são elas, também,uma parte do sentido da vida. trocamos palavras sem termos rosto no entanto, adivinhamos o sorriso na boca do outro. e sentimo-nos bem.



sublime, este verem-nos por dentro, pelas palavras que espalhamos. encontro de almas à distância, reconhecimento no outro de uma parte de nós.



e sim, é ternura, e também desejo, o que nos acompanha quando, a sós, nos recolhemos por entre os lençóis e sorrimos no conforto das palavras que nos foram oferecidas... e sentimos que nunca estamos verdadeiramente sós. à distância há alguém que sabe que existimos, que pensa em nós, nas próximas palavras que nos escreverá. 



é o domínio do sentimento sobre qualquer deserto inóspito.



 Alma