sábado, 24 de julho de 2010

loucura em pensamento


vejo-te à transparência de quem és, para lá de ti.

e vejo-te nesse ar sério de vida conquistada, de olhar escondido, fixando-me nos meus olhos, lendo a minha alma. e parto à carícia de quem antevejo, de quem não se dá...

em desejo, brinco com a tua boca sorrindo-lhe, fitando-a, beijando-a suavemente em jeito de abertura sensual, como quem belisca com os lábios, largando de seguida. e a tua boca estende-se para a minha e eu fujo, seduzo, evito, sentindo a dor do desejo em obstáculo.

quisesses tu segurar-me pelo pescoço, furioso pela privação e arrebatar-me...

e seria a outra, a das não-palavras, a mesma que quase sai de si quando te pensa e recorda, pela pele e pelos poros, pelo suor que lhe nasce quando te recorda.

e seres assim, à distância, loucura em mim, louca que fico, pelas simples memória de ti...

Alma

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Pobres de Nós!

Ocaso e Nascente, Tristeza e Felicidade tocam-se no ser humano, confundem-no, transcendem-no, sem que ele saiba por vezes porquê.

São forças distintas que se conjugam na fragilidade humana, açoitando-a e fazendo-a sorrir, obrigando-a a ajuizar sobre a pertinência dessa torrente que dá pelo nome de Vida.

Umas vezes acreditando na existência da Felicidade, outras nem por isso, e o espírito humano oscila entre o solo em que finca os calcanhares e o olhar que espreita o Abismo.

Pobres de nós!
Alma

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Encontra-me


Sou uma pessoa qualquer

Na tua angústia... padece

Na tua alegria... renasce

Na tua sede... seca

Na tua fome... morre

Nos teus tormentos... enlouquece

Na tua felicidade... rejubila

Na tua dor... adoece

Nas tuas mãos... cresce

No teu olhar... brilha

No teu corpo...vibra

Na tua boca...permanece

No teu amor... vive!

Assim, como uma pessoa qualquer.


Vanda Romeu