quinta-feira, 21 de outubro de 2010

apetecem-me


Apetecem-me as tuas mãos sobre as minhas ancas.

Centro de mim, pendular, rendido a esse contacto do teu corpo contra o meu, trepando por mim, resvalando, subindo e descendo de novo em curvas e contracurvas, em circunvalações e baixios.

Afunda-me e penetro-te em pele, encontras-me e entrego-te o abismo que sou e tenho...

Loucura e Paixão…

Tudo se reduz a esse centro de mim, onde me divides, onde me uno a ti, onde consolidamos o Todo de sermos dois.          Alma

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Tão-somente

Roberto Liang

Quero-te tanto com a alma como com o corpo

O aconchego de palavras, dilui a distância física, estás aqui
Tão próximo, se uma brisa levantar os meus cabelos te tocarão

Na ilusão que tudo controlamos, julguei que podia amar-te apenas pelo desejo carnal…
Risos meu amor, que riso! Quanto me enganei!

Quero meu amor, quero muito a tua carne na minha, o teu corpo me cobrindo, as tuas mãos nesse toque teu, a tua boca quente num beijo molhado, a tua carne.

Tencionava desejar-te tão-somente com o corpo… risos meu amor!

Veio, com devoção, a afeição, o carinho que me dedicas, a ternura que retribuo, um estar bem pelo teu bem-estar… Sorrateiramente.
Um sentimento, tão terno quanto ardente, um desejo de alma.

Tinha que te dizer meu amor


Vanda Romeu


Michael Parkes

domingo, 17 de outubro de 2010

sem demora!

entrelacemos os nossos desejos
e nossas vontades
até à quimera de tudo poder,

















na loucura de tudo desejar ser.
Alma

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

desde nunca e agora

copyright by Christine Kessler

em mais momentos do que me dou conta,

                                                                             a Vida

         tem agitado a minha sombra...

                  gritado à surdez da minha teimosia...

                        sorrido perante a impassibilidade do meu olhar...

hoje, agora... desde que me reinventei, Sou toda eu desperta, oferta sobre altar que me traga  a rendição.

                  Alma

sábado, 9 de outubro de 2010

as palavras que te envio


e concluo sobre o poder das palavras.

amamos, desejamos, sonhamos por causa das palavras. são elas o princípio e o fim.

oidotsuc... são elas, também, uma parte do sentido da vida. trocamos palavras sem termos rosto no entanto, adivinhamos o sorriso na boca do outro. e sentimo-nos bem.

sublime, este verem-nos por dentro, pelas palavras que espalhamos. encontro de almas à distância, reconhecimento no outro de uma parte de nós.

e sim, é ternura, e também desejo, o que nos acompanha quando, a sós, nos recolhemos por entre os lençóis e sorrimos no conforto das palavras que nos foram oferecidas... e sentimos que nunca estamos verdadeiramente sós. à distância há alguém que sabe que existimos, que pensa em nós, nas próximas palavras que nos escreverá.  

é o domínio do sentimento sobre qualquer deserto inóspito.

 Alma