terça-feira, 30 de agosto de 2011

que momento único...



olhos fixos dentro de nós,
                         sentindo o silêncio que nos invade na pele,
                                           imóveis e colados um ao outro.

 como um só, escutamos o mar lá fora contra a muralha,
                    nosso companheiro há momentos na paixão de sentir-se vivo.
                                      sobe o silêncio dos corpos ao ritmo do fumo de incenso,
                    escalando a luz breve de um  final de dia.
                                  sinto a tua respiração fervente no meu cabelo,
                                                                   soprando-o ligeiramente.

 e neste ambiente quente e único, chego a acreditar que és meu.
Alma

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Converto-me ao segredo das tuas noites...

Luis Royo

Converto-me ao segredo das tuas noites, da tua vida quando me sento no espaço da tua sombra, a teu lado, e te falo da minha Dor, das minhas alegrias, dos sonhos que nunca concebi.

E tu sorris-me, sorris comigo, iluminas o dia para me ver sorrir.

 E o teu sorriso alarga-se, estende-se ao teu olhar, solta-se da tua boca e aninha-se na minha, sacia-se em mim. E eu sinto que não é só um sorriso, o meu, o teu... É a minha Alma na procura da tua, é o encontro instintivo das mãos que se abraçam na união dos dedos com a ponta dos meus escorregando pelos teus, a palma das mãos trémulas no adivinhar do contacto dos corpos.

Conduzo a tua mão aos meus lábios, elas que tantas vezes me acariciaram em sonhos longínquos como nós, em vontades delirantes como as nossas... terna, solto beijos na palma das tuas mãos, provando-lhes as carícias que nunca me chegaram.

Alma

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Vontade



ESTA SOLIDÃO EM QUE ME REFUGIO, ESTA CERTEZA DE AMOR QUE NÃO ME CHEGA.

           PUDESSE EU PINTAR OS DIAS COM A LUZ DOS TEUS OLHOS...                 ALma

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Penso...


Penso...

Quando as tuas mãos chegarem até mim, e a curva conhecida do teu corpo oferecendo-se, dando-se, e a vontade e a loucura nos invadirem, tudo perderá o sentido, a órbita, para sermos apenas tu e eu.

Ou só tu, perdida que seria de mim, ou só o momento, ou só nós, um, em alma e corpo.

                                         Quando fores tu, Amor, em mim, eu não serei mais eu mas a secreta, a que ninguém desvendou, a que se escreve na espera de ti.

Alma