quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Penso...


Penso...

Quando as tuas mãos chegarem até mim, e a curva conhecida do teu corpo oferecendo-se, dando-se, e a vontade e a loucura nos invadirem, tudo perderá o sentido, a órbita, para sermos apenas tu e eu.

Ou só tu, perdida que seria de mim, ou só o momento, ou só nós, um, em alma e corpo.

                                         Quando fores tu, Amor, em mim, eu não serei mais eu mas a secreta, a que ninguém desvendou, a que se escreve na espera de ti.

Alma

2 comentários:

Anónimo disse...

Penso...
Que a Alma cada dia nos surpreende mais com a sua admirável escrita.
Uma leitora assídua
Jacqueline

Florbela Amada disse...

tão bonito! Também penso isso tudo :)

Muito bom!

Grata.